Deutsche Schriftsteller in Brasilien

 

 

Comprar como livro eletrônico (E-Book)via PAYPAL:

Seu E-Mail

Você sabia que há muitos e muitos anos as bolas de sabão são conhecidas?  Bolas de sabão, aquelas bolas que parecem ser de vidro, mas na verdade são bolas de detergente.  Se você ainda não as conhece, talvez ajudasse perguntando à sua mãe.  Mas, honestamente, quem hoje em dia não conhece bolas de sabão?
Elas existem desde muito tempo, muito mais do que você possa imaginar.  Ainda mais do que os correios e olhe que os correios existem há centenas de anos.
Se for verdade que antes tudo era melhor do que é hoje eu não sei, afinal eu não estava lá, mas certamente era muito, muito diferente do que é hoje. Por exemplo: no ferro de passar roupa colocavam brasas, as maletas eram feitas no seleiro, os ovos eram procurados no galinheiro.  Aqueles eram tempos bem diferentes de hoje!
E quando os pombos-correios ficaram preguiçosos demais, as pessoas enviavam suas saudações dentro de uma bola de sabão.  Até mesmo os sonhos voavam de criança para criança dentro da bola de sabão.
Diz-se também que o inventor das bolas de sabão deve ter inventado, muito mais tarde, as bolas de natal.  Essas bolas são, por assim dizer, bolas para sempre se ninguém quebrar. É claro! 
Bolas de sabão existem muito antes das pessoas pensarem em vidro.  Não havia garrafas, nem copos, nem óculos, nem lâmpadas, mas as bolas de sabão já existiam quando o povo ainda se juntava na luz das lamparinas, que eram lâmpadas de querosene, para contar suas histórias.
Uma das histórias contadas, naquela época, falava de um homem de estatura pequena, que foi capaz de viajar dentro de uma bola de sabão. Não é o que você está pensando, que o homem era muito pequeno. Não! Nesse caso, a bola de sabão é que era realmente muito grande.
O pequeno homem, chamado de Jonathan, construiu um banquinho redondo e o colocou dentro de uma tigela com água e sabão.  Depois, sentou-se nesse banquinho, puxou as pernas e fez... “wapt e wupt” usando um bambolê. Uma bola de sabão surgiu em torno dele e a viagem começou.
Como todo mundo sabe as bolas de sabão voam muito bem.  Elas podem voar por um bom tempo e bem alto também, tudo isso depende da quantidade de sabão.  Então, se você colocar pouco sabão com muita água, a coisa não vai rolar. Pior, pode simplesmente esquecer a ideia de voar se a solução estiver fraca demais, aí você não consegue viajar nem até Campos.
E nosso Jonathan queria viajar para muito mais longe, ele queria ir até Batávia!  Ele tinha ouvido falar que lá havia flores maravilhosas, um mar azul e um monte de moinhos de vento.  Dizem que as pessoas de Batávia costumavam passear com tamancos feitos de madeira e comiam queijo todos os dias. Jonathan também gostaria de fazer isso, pois amava queijo mais do que qualquer outra comida. Mas será que ele acostumaria a andar com sapatos de madeira? Teria que tentar primeiro. Para ele seria uma novidade, mas para as pessoas de Batávia não era, pois faziam isso o tempo todo. Pelo menos foi isso que contaram a Jonathan.

Índice

Dedicatória                                                                       5
Índice                                                                                  7
O Deserto Lunar                                                              9
A Viagem na Bola de Sabão                                        15
Fantasmas de Vapor                                                      27
A Chave do Tesouro                                                       33
A Montanha de Cabelo das Fadas                            57
A História de Dois Balões                                             65
O Mestre das Gadanhas                                              73
Trolls? Eles Existem ou Não?                                     83
O Cristal da Caverna Mágica                                        93
O Pequeno Saltimbanco                                              107
A Sereia Real                                                                   117
O Inventor do Arco-íris                                                  127
Sobre o Autor                                                                   135